Continuaremos sempre


Por Aldir Blanc, que nos deixou hoje, e que junto com João Bosco deixou de herança uma das mais belas músicas brasileiras; Por todos os jornalistas e pela imprensa livre; Por todos os covardes que pedem a intervenção militar sem saber o que ela significa:


“O bêbado e a equilibrista


Caía a tarde feito um viaduto E um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos A lua, tal qual a dona de um bordel Pedia a cada estrela fria um brilho de aluguel E nuvens, lá no mata-borrão do céu Chupavam manchas torturadas, que sufoco Louco, o bêbado com chapéu-côco Fazia irreverências mil pra noite do Brasil, meu Brasil Que sonha com a volta do irmão do Henfil Com tanta gente que partiu num rabo-de-foguete Chora a nossa pátria, mãe gentil Choram Marias e Clarices no solo do Brasil Mas sei, que uma dor assim pungente Não há de ser inutilmente, a esperança Dança na corda bamba de sombrinha E em cada passo dessa linha pode se machucar Azar, a esperança equilibrista Sabe que o show de todo artista tem que continuar” (Aldir Blanc e João Bosco)

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

No país do futebol, os domingos já são sempre importantes, mas quando é a data da rodada final, da decisão do campeonato, então, nem se fala. Estando seu time ali ou não, é um dia é diferente. O ar, o