Empresas, sejam responsáveis

por Roberto Mancuzo



Vou contar duas histórias.

Em uma delas, um empresário que faz o melhor hamburguer do mundo vem a público dizer que infelizmente milhares de pessoas vão morrer mesmo com o Covid-19 e de quebra também anuncia a demissão de 600 trabalhadores que estavam esperançosos para atuar na expansão da empresa.

Em outra, uma empresária, cujo nome começa com Luiza e termina com Helena Trajno e comanda uma das principais redes varejistas do Brasil, o Magazine Luiza, decidiu fazer o que todo líder ama em um período de crise: crescer! Assim, a empresa dela foi signatária do manifesto “Nâo Demita”, que estimula empresas a não promover desligamentos no período de isolamento e que já tem mais de 3 mil adesões empresariais no Brasil; desenvolveu uma conexão direta com o sistema da Caixa Econômica Federal que possibilita acessar o auxílio emergencial a partir dos canais de vendas online – site e aplicativo e acaba de Lançar uma plataforma digital de vendas para auxiliar micros e pequenas empresas e profissionais autônomos a manter os seus negócios durante a crise. Em resumo, beneficiou consumidores, funcionários e parceiros.

Quem você acha que será mais lembrado ao final da crise que se instalou com o Covid-19?

Bem, desde que eu comecei a estudar e a trabalhar com planejamento estratégico em Comunicação, e isso foi lá por 2005, que ouço e leio muito que as empresas sempre devem responsáveis socialmente. Ou seja, em qualquer ação planejada de comunicação a longo prazo, deveria haver em algum momento um conjunto de proposições que indicariam o quanto estas empresas estavam dispostas ou como elas já ajudavam a sociedade e em especial a comunidade em que estava inserida. Tecnicamente falando é o Marketing Social, termo criado pelo maior nome do Marketing de todos os tempos, o professor Philip Kotler.

Mas posso afirmar categoricamente que na maioria dos planos estratégicos que li, e até mesmo participei, as proposições não passavam disso: “proposições”. Eram discursos e como todo estudioso da área de linguística, e até mesmo o mais idiota dos eleitores brasileiros sabe, só discurso não enche a barriga de ninguém. Não passa de uma mensagem que te pega nos momentos mais difíceis ou oportunos.

Daí, voltamos à pergunta que fiz no começo do texto. Quem você acha que sairá na frente quanto a ordem natural das coisas voltar ao normal? O hamburgueiro que fez um discurso sincero, mas extremamente egoísta e arrogante, ou a dona Luiza que resolveu dar as mãos, mesmo que de longe, para quem mais precisava?

A reputação das empresas está em jogo com o Covid-19 e ser responsável socialmente agora é muito mais do que apenas bradar pelos mais variados cantos que a organização é isso ou aquilo. Porque agora, ou é de fato isso, ou é de fato, aquilo.

No começo deste mês de abril, a Coca-Cola decidiu suspender quase toda sua campanha nos mais variados meios de comunicação. Deixou um punhado aqui e ali, mas fechou o discurso. E sabe por quê? Porque, meu caro, aquele lance de “abrir a felicidade” não cola bem em um dos momentos mais delicados da humanidade. A hora agora é sobreviver, e cá entre nós, o gás da Coca pode até continuar nos dando algum prazer, mas felicidade não dá mesmo.

Felicidade agora é poder voltar a estar junto, é ter o emprego garantido, ter álcool gel à disposição e conseguir o R$ 600 que o governo está dando a conta-gotas. Felicidade agora precisa mais do que nunca de materialidade.

O Mc Donald´s separou o “M” dele na internet. O Mercado Livre separou as mãozinhas de sua logo e até a Coca-Cola tirou o tracinho que juntava o nome, mas e daí? Foi bonito e a gente quase chorou com a música “I´ll be there”. Mas os funcionários que trabalham para garantir o delivery estão bem protegidos? Estão com empregos garantidos?

Empresário, leia isso: imagem é uma superfície que representa algo. Nunca passou disso e durante anos as empresas surfaram, e ainda surfarão, em grandes campanhas para ser uma presença imagética na mente dos consumidores. A questão agora é que não estamos mais falando só de imagem. O Covid-19 implantou a necessidade de trabalhar e materializar a identidade empresarial.

Empresas costumam ser o reflexo de seus donos. A identidade destes homens e mulheres sempre aparece na menor das brechas. Só que agora a brecha aumentou e para além da imagem, o consumidor está de olho mesmo em quanto o empresário é real. O quanto ele consegue ser humano para além do discurso.

Se a lógica for demitir e cortar jornadas de trabalho, a empresa é isto. Se a lógica for assumir uma responsabilidade social efetiva, organizações agora precisam entender que não dá para ficar com a boca aberta esperando dinheiro público, assim como ficaram na crise econômica de 2008.

Eu vou me lembrar muito de quem pregou o caos e a morte e vou ser o melhor amigo de quem esteve ao meu lado nesta fase tão difícil.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

No país do futebol, os domingos já são sempre importantes, mas quando é a data da rodada final, da decisão do campeonato, então, nem se fala. Estando seu time ali ou não, é um dia é diferente. O ar, o